PONTUAÇÃO

A estrutura canónica das frases é a ordem pela qual aparecem os constituintes básicos das frases de uma língua: sujeito, verbo e objeto. No português, a ordem básica é SVO (sujeito, verbo e objeto, e, depois, advérbio). Veremos agora onde estas estruturas vão aparecer e qual é o seu sentido.

VÍRGULA

Antes de mais nada: importante dizer que, em situações nas quais as frases figurem em sua ordem padrão (sujeito, verbo, objeto, advérbio), não se fará necessária a vírgula. Nesta oração, por exemplo, usaram-se as vírgulas para demarcar o deslocamento do advérbio (do adjunto adverbial) para o meio da frase.

Passemos às exemplificações para melhor visualizarmos as regras: 

Exemplo 1: Estudantes, sofrem críticas ao ocuparem as escolas.

Atenção: Essa vírgula está ERRADA! Em hipótese alguma o Sujeito e o Verbo serão separados por vírgula quando postos em sua ordem padrão!

Estudantes = Sujeito.

Sofrem = Verbo transitivo direto. Estudantes sofrem o quê?

Críticas = Objeto direto. Complementa o verbo sofrem.

Ao ocuparem as escolas = Adjunto adverbial. Modifica o sentido de sofrem. Tem por função adjetificar o verbo.

Exemplo 2: Compras aumentam, durante o período do Natal.

Atenção: Essa vírgula está ERRADA! A frase só será separada por vígula caso esteja INVERTIDA: Durante o período do natal, compras aumentam.

Compras = Sujeito.

Aumentam = Verbo intransitivo. Não necessita de complemento.

Durante o período do Natal = Adjunto adverbial. Tem por função adjetificar o verbo.

Exemplo 3: A vida fica mais leve quando resolvemos florir.

Atenção: Essa frase está CORRETA! Não há motivos para separar a frase por vígulas.

A vida = Sujeito.

Fica = Verbo de ligação. Não indica uma ação! Indica um estado, ligando uma característica do sujeito a ele. Os principais verbos de ligação são: serestarpermanecerficartornar-seandarparecervirarcontinuarviver.

Mais leve = Predicativo do sujeito. Característica do sujeito. Quem fica mais leve? A vida (sujeito).

Quando resolvemos florir = Adjunto adverbial. Tem por função adjetificar o verbo.

Exemplo 4: Os jogadores de futebol americano dos times brasileiros e argentinos detentores dos maiores salários, possuem renda inferior à dos jogadores de futebol de campo empresas privadas.

Atenção: Essa vírgula está ERRADA! Em hipótese alguma o Sujeito e o Verbo serão separados por vírgula!

Os jogadores de futebol americano dos times brasileiros e argentinos detentores dos maiores salários = Sujeito.

Possuem renda inferior à dos jogadores de futebol de campo empresas privadas = Predicado. Verbo + Complemento.

Ordem da oração: Sujeito + Verbo + Objeto + Complemento. O verbo comanda a oração.

Atenção: Não se separam elementos na forma direta! (Ordem canônica: sujeito, verbo e objeto)

VÍRGULAS DENTRO DA ORAÇÃO

Exemplo 1: EUA, após a eleição, será transformado.

Atenção: Nesse caso, o Adjunto adverbial foi DESLOCADO e, portanto, utilizamos a vírgula.

EUA = Sujeito.

Após a eleição = Adjunto adverbial DESLOCADO. Tem por função adjetificar o verbo.

Será tranformado = SER + Verbo transtivo direto.

Exemplo 2: Triste, Joelma cancela o show.

Atenção: Nesse caso, o Predicativo do sujeito foi DESLOCADO e, portanto, utilizamos a vírgula.

Triste = Predicativo do sujeito DESLOCADO. Característica do sujeito. Quem fica triste? Joelma (sujeito).

Joelma = Sujeito.

Cancela = Verbo transitivo direto.

O show = Objeto direto.

Exemplo 3: Ocupações trarão, nas universidades, conflitos ideológicos.

Atenção: Nesse caso, o Adjunto adverbial foi DESLOCADO e, portanto, utilizamos a vírgula.

Ocupações = Sujeito.

Trarão = Verbo transitivo direto.

Nas universidades = Adjunto adverbial DESLOCADO. Tem por função adjetificar o verbo.

Conflitos ideológicos = Objeto direto.

Exemplo 4: A minoria dos portadores de deficiência física, mesmo quando sabem lidar com os percalços da adversidade, tendem a sofrer a retaliação e serem excluídos do círculo social no qual estão inseridos.

Atenção: Nesse caso, o Adjunto adverbial foi DESLOCADO e, portanto, utilizamos a vírgula.

A minoria dos portadores de deficiência física = Sujeito.

Mesmo quando sabem lidar com os percalços da adversidade = Adjunto adverbial DESLOCADO. Tem por função adjetificar o verbo.

Tendem = Verbo transitivo direto.

A sofrer a retaliação e serem excluídos do círculo social o qual estão inseridos = Objeto direto.

VÍRGULAS DENTRO DA ORAÇÃO

Geralmente, as vírgulas entre orações são utilizadas para:

a) Separar elementos DESLOCADOS ou INTERCALADOS.

Exemplo: Essas crianças, com certeza, gostam de tecnologia.

Essas crianças = Sujeito.

Com certeza = Adjunto adverbial DESLOCADO.  →  Curiosidade: a gramática admite que, caso este adjunto adverbial descolado possua apenas uma palavra, ele possa permanecer SEM qualquer vírgula!

Gostam = Verbo transitivo indireto.

De tecnologia = Objeto indireto.

b) Separar termos de mesma função sintática em uma enumeração.

Atenção: Função sintática é o papel que determinada palavra desempenha dentro de uma oração.

Exemplo: O professor Leopoldo é alto, loiro e narigudo.

As palavras alto, loiro e narigudo estão adjetificando Leopoldo de maneira enumerada. Sendo assim, devemos utilizar a vírgula.

c) Isolar aposto e vocativo.

Atenção: O aposto explica, esclarece e acrescenta algo ao sujeito, enquanto o vocativo serve para invocar o receptor da mensagem.

Exemplos: Lucas, que estuda muito, foi embora. (Aposto)

Lucas, volte aqui, por favor. (Vocativo)

d) Marcar elipse de um verbo já ocorrido.

Exemplo: Arlindo ficou triste, eu, feliz.

A frase sem a elipse seria: Arlindo ficou triste, eu fiquei feliz.

Atenção: Note que, na primeira fraseo verbo, que é o mesmo nas duas orações, foi substituído pela vírgula.

VÍRGULAS ENTRE ORAÇÕES

a) Orações Coordenadas (orações independentes): Só não se usam vírgulas entre orações ligadas pelo E e que tenham O MESMO SUJEITO.

Exemplo: O homem vendeu o carro, e a mulher protestou. (Sujeitos diferentes)

O homem vendeu o carro e protestou. (Mesmo sujeito)

Atenção: Se a conjunção E vier repetida, ou seja, nos polissíndetos, usa-se vírgula SEMPRE.

Polissíndeto é uma figura de linguagem da língua portuguesa que consiste no uso repetitivo e excessivo de algumas conjunções entre as orações de modo sequencial.

b) Orações Subordinadas Adjetivas (que possuem valor e função de adjetivo, ou seja, que a ele equivalem):

A restritiva (fala de alguns) NUNCA tem vírgula.

Exemplo: O homem que fuma vive menos. (Não são todos que vivem menos, somente os que fumam)

A explicativa (fala de todos) SEMPRE tem vírgula.

Exemplo: A alegria, que é uma dádiva, faz um bem 'danado'.

c) Orações Subordinadas Adverbiais (depende de outra para que a frase estabeleça seu sentido completo):

Antes da principal sempre se utiliza vírgula.

Exemplo: Quando acreditamos nele, um sonho só é realizado.

No meio da principal sempre se utiliza vírgula.

Exemplo: Um sonho, quando acreditamos nele, só é realizado.

Depois da principal o uso da vírgula é facultativo.

Exemplo: Um sonho só é realizado(,quando acreditamos nele.

'Quando' é adjunto adverbial de tempo.